domingo, 26 de dezembro de 2010

CONSELHOS

Todo dia é a mesma história. A mesma ladainha, a mesma lamentação. O mesmo surto de independência, de auto-suficiência, e até mesmo auto-estima. É quase uma conversa bipolar, que oscila em amor e ódio aos homens. As protagonistas são sempre as mesmas. Ora uma, ora outra. Cada uma com seu respectivo par, que alias muda com freqüência quase semanal. Se ainda fosse um protagonista a altura, um galã por semana, tudo bem. Mas os atores principais parecem não corresponder ao que as atrizes desse dramalhão mexicano merecem, ou pensam merecer.
Hoje aconteceu algo diferente. Elas sempre trocam os mesmos conselhos, quando recebem repudiam, mas na hora de dá-los, acreditam fielmente. Porque é tão mais fácil acreditar no conselho quando estamos dando e não quando estamos recebendo? Será que acreditamos mesmo no que dizemos para outra pessoa? Enfim, o que importa é que no fundo elas gostam de se enganar, e acabam seguindo seus impulsos, pois sabem que terão uma a outra pra chorar depois.
Mas hoje, especialmente, uma delas se calou. Não foi um silêncio de felicidade por ter encontrado um possível ator principal, até porque se fosse o caso haveria histeria, não silêncio. Hoje, ela percebeu que os testes para sua novela se encerraram, e infelizmente não pelo motivo descrito há uma frase atrás. Se encerraram, pois um conselho foi dito baixinho e ouvido pelo pior lugar do corpo de uma mulher. Agora, a boca cala e sufoca lágrimas. E só mesmo tendo uma a outra para dizer mentiras e fazer esquecer o que ouviu o coração.



Amigas são para isso. Para estar na mesma estrada, mesmo que seus caminhos sejam diferentes. Para dar conselho mesmo sabendo que jamais fariam nada daquilo. É pra dá bronca, fingindo ser responsável a ponto de poder dar sermão em alguém. E no fundo pode mesmo, pois afinal é pra isso que ela está ali. Amiga é pra ouvir a gente falar de um cara, mesmo sabendo que corre o risco de ser deixada meio de lado se tudo der certo. Amizade é ajudar mesmo sabendo que no fim podemos acabar nos afastando, mas nunca vamos deixar de estar ali, de mãos dadas.

Um comentário:

FRED disse...

Oi, Stefa, é o Fred. Começou a pouco tempo o seu blog né? Tá escrevendo direitinho, gostei. Estou nos seguidores. Minha epifania é o meu blog, fredericoformiga.blogspot.com. Beijo